Diversidades em Performances participa de evento dos 45 dias de atividades LGBT

Olá pessoal,

Venho convidá-l@s para o primeiro evento dos 45 dias LGBT, promovido pela ONG ABCD’S, no qual iremos participar:

Debate: Estratégias de enfrentamento à homofobia e redes de comunicação Marcha para Brasília, beijaços, manifestações e outras ações locais. Estão tendo foco no que realmente importa? Repensar novas estratégias: boicotes à empresas e produtos e conscientização. Como fazer e por que são importantes? Diálogos sobre novas práticas para o ativismo no século XXI.

Rick Ferreira – Sociólogo, ativista do movimento LGBT desde 2003 e membro do Fórum Paulista LGBT

Marcelo Gil – Teólogo – Fundador da ONG ABCD’S – Santo André Mediador

Tatyane Estrela – Estudante e pesquisadora do Grupo de Pesquisa e Extensão ABC das Diversidades – UFABC

Local: Parque Celso Daniel (roda de conversa) – 19 horas

Data: 17/05/2012

Anúncios

Deputado da bancada evangélica propõe projeto de lei em prol da população LGBT

Está em tramitação na câmara dos deputados projeto de lei do senador Marcelo Crivella que proíbe discriminação a LGBTs no trabalho.  Paradoxos da vida política contemporânea ou uma forma de desviar o foco do projeto de lei que criminaliza a homofobia? Deixando de lado especulações sobre os meandros do jogo político e suas implicações para a população LGBT, é chegado o momento de refletir sobre estratégias e formas de atuação do movimento até o presente momento e quais são os resultados em relação à conquista de direitos por meio do poder legislativo. Este que tem sido omisso e tem virado as costas para a comunidade LGBT. Será que trocar as “lutas” e os “embates ferrenhos” pelo diálogo possível na esfera pública é algo pouco razoável? Será que a desqualificação moral dos adversários políticos e a corrida “onguista” por recursos públicos não acabam por desfocar as discussões que realmente importam e a atenção necessária em questões que estão para além dos direitos legais garantidos pelo Estado? Ativismo para além das questões de cidadania e em busca do reconhecimento das pessoas LGBTs como seres humanos dignos e integrantes da nação brasileira, me parece ser ponto pouco ou quase não discutido. As vezes me pergunto se a prática de “demonizar” os interlocutores não acaba criando um ambiente do pior tipo de prática política. Se outras vias como a Cultural e a Educacional não seriam mais efetivas para promover transformações sociais em prol dos direitos humanos. Assim como ocorre em outros movimentos sociais, o clientelismo, a baixa capacidade técnica de alguns ativistas, a intolerância em relação aos grupos opositores e interesses escusos são elementos que contaminam a atuação do movimento e deslocam as reais preocupações e necessidades da população LGBT. Mas o que quer a população LGBT? Como integrar em uma agenda consistente demandas de uma “sopa de letrinhas” que internamente vive em pé de guerra? Será que a esquerda ainda pode ser considerada como a principal posição política de apoio às minorias? O que a experiência recente tem demonstrado  ações efetivas que tenham melhorado as condições de vida de LGBTs? Embora eu seja crítica das instituições, entendo que precisamos ocupar os espaços institucionais públicos e fazermos valer as demandas que consideramos relevantes. Mas como ter acesso aos meios institucionais se a própria comunidade LGBT não elege candidatas(os) que se comprometam com a agenda LGBT?  Será falta de gente qualificada ou o preconceito internalizado? Temos que olhar para estas questões de forma séria e assumirmos uma posição consistente com a tarefa de transformar a sociedade brasileira. Caso contrário, não só o pouco que foi conquistado pode ser perdido, como teremos nossos problemas tratados com muito zelo por algum fundamentalista religioso, encoberto sobre o manto de um bom pastor a guiar suas ovelhinhas.

Projeto de Lei 2893/2011

Altera a Lei nº 9.029, de 13 de abril de 1995, para definir outras práticas discriminatórias e crimes perpetrados para efeitos admissionais, de remanejamento, de ascensão profissional ou de permanência da relação jurídica de trabalho, e dá outras providências.

Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=530573

Notícia completa no Mix Brasil: http://mixbrasil.uol.com.br/pride/seus-direitos/camara-pode-proibir-preconceito-contra-lgbt-no-trabalho.html

ONG ABCD’S promove o VII Prêmio Divas

Olá pessoal,

Venho trazer aqui a divulgação do Prêmio Divas realizado pela ONG ABCD’S no mês de março de 2012.

Tive a honra de ser homenageada pela ONG ABCD’S pelo protagonismo social em relação às lutas em prol dos direitos humanos e LGBTs. É claro que ainda tenho muito o que fazer e tal prêmio é um grande incentivo e reconhecimento para todas(os) que atuam em prol da promoção dos direitos humanos, seja na academia, nas entidades, nos movimentos sociais ou mesmo no cotidiano.

Seguem links das premiações:

Prêmio Divas – Parte I

Prêmio Divas – Parte II

Entrega do prêmio por Marcelo Gil – Presidente da ONG ABCD’S

Sobre a ONG ABD’S

http://www.ongabcds.blogspot.com.br/p/historia.html

Apoie/auxilie a ONG ABCD’S 

http://www.ongabcds.blogspot.com.br/p/curiosidades.html